Instituição de resgate mnemônico da história municipal de Esperança, Parahyba

Pesquisar este blog

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Esperança, 1938: O prefeito Júlio Ribeiro decretou a proibição de se depositar lixos nos muros e quintais do Município. O gestou municipal justificou a medida “considerando o mau hábito de grande parte dos habitantes desta villa fazem despejo dos lixos de suas habitações, nos fundos dos próprios muros, quintais e nas suas imediações, prejudicando (...) a saúde pública” (Decreto n. 04, de 08 de janeiro de 1938). Na época, a cidade corria o risco de um surto de febre tifoide.

Rau Ferreira 

Leia também: